Soluções em Evidência

A FiscalTec é empresa especializada e realiza a prestação de serviços de assessoria tributária, processamento de dados e gestão administrativa, visando prover soluções inteligentes, ágeis e seguras para empresas dos mais diversos ramos de atividade.


Contribuição Previdenciária sobre a Folha de Pagamento

Este trabalho é voltado para auxiliar o cliente na análise da incidência do tributo, assim como na revisão dos valores recolhidos em todo o período prescricional referente à contribuição previdenciária sobre os valores da folha de pagamento.

Atualmente, um dos temas com mais destaque no direito tributário é a possibilidade da revisão fiscal e incidência da Contribuição Previdenciária sobre rubricas da folha de pagamento.

Conforme a regra, o recolhimento deste tributo decorre da incidência da alíquota (exp: 20%) sobre os eventos que compõe a folha de pagamento dos colaboradores. No entanto, verifica-se que em alguns destes eventos, não deveria ocorrer a incidência do tributo, pois além de não serem pagos com habitualidade, possuem natureza Indenizatória e não compõe a base de cálculo para aposentadoria do colaborador.

Contribuinte e União discutem esse tema, perante o Poder Judiciário, á longos anos. Atualmente, tanto a Receita Federal do Brasil, Procuradoria Geral da Fazenda Nacional (PGFN) e o Poder Judiciário, com relação à uma parcela destes eventos, já pacificaram o entendimento a respeito da não incidência do Tributo.

Contribuição Previdenciária 15% Cooperativa

Trabalho voltado à auxiliar o cliente na análise da incidência do tributo e na revisão dos valores recolhidos ao longo do período prescricional à título de contribuição previdenciária 15% sobre os serviços tomados de cooperativas.

O Supremo Tribunal Federal, em julgamento publicado no dia 08 de outubro de 2014, nos autos do Recurso Extraordinário nº. 595.838/SP, decidiu, por unanimidade, pela inconstitucionalidade do recolhimento da contribuição previdenciária de 15% (quinze por cento) incidente sobre a nota fiscal ou fatura dos serviços prestados pelos cooperados através das cooperativas, disposto no inciso IV do art. 22 da Lei 8.212/1991 com a redação dada pela Lei nº 9.876/1999.

Esta decisão do STF, atinge, diretamente, os contribuintes que contratam a prestação de serviços através das cooperativas, tais como, as cooperativas de saúde, transporte, odontologia, etc., motivo pelo qual, podem pleitear, a restituição ou compensação dos valores pagos indevidamente, nos últimos cinco anos, com juros de mora pela taxa SELIC.

O motivo pelo qual discutimos este tema decorre da constatação na prática de que diversos contribuintes ainda não aproveitaram desta oportunidade, principalmente a recuperação dos valores. É relevante reforçar a inconstitucionalidade de referida contribuição e a plena viabilidade de sua recuperação, bem como não recolhimento.

PIS/COFINS sobre insumos (Lucro Real Não Cumulativo)

Trabalho voltado à auxiliar o cliente na análise, revisão e recuperação de créditos, devidos no regime do lucro real não-cumulativo, de PIS/COFINS sobre insumos inerentes à prestação de serviço, produção ou fabricação de bens da empresa destinados à venda.

De acordo com a edição das Leis nº 10.637/2002 e 10.833/2003, as contribuições ao PIS e a COFINS são recolhidas com base na sistemática do princípio da não-cumulatividade; sendo que o contribuinte, a partir da apuração relativa aos insumos necessários ao exercícios da sua atividade econômica, pode realizar a apuração de créditos, que são confrontados com os débitos decorrentes das vendas de mercadorias/serviços.

O contribuinte deve pagar a diferença (em caso de saldo devedor) ou transportar o crédito para o período de apuração subsequente (em caso de saldo credor).

Não obstante, na medida em que o conceito de "insumo" para fins de apuração de créditos, conforme atual entendimento doutrinário e jurisprudencial, é intrínseco ao princípio da essencialidade do bem à atividade econômica desenvolvida por cada contribuinte, nota-se a existência de muitas dúvidas e, portanto, o surgimento de oportunidades para a análise e revisão das operações realizadas dentro do período prescricional.

Retenção da Contribuição Previdenciária na Cessão de Mão de Obra (Lei 9.711/98)

Trabalho voltado à auxiliar o cliente na análise, revisão e recuperação de créditos, devidos às empresas prestadores de serviços, submetidas ao regime de retenção decorrente da Lei 9.711/98.

Nota-se que o auxílio inerente às oportunidades no recolhimento deste tributo não se destaca por realizar abordagem relativa à constitucionalidade, ou não, das respectivas mudanças, mas sim, pela: (i) inclusão, por meios normativos impróprios, de empresas prestadoras de serviços não identificadas com as hipóteses do parágrafo 4º, do artigo 31, da Lei 8.212/1991, na lista de empresas prestadoras de serviços por cessão de mão-de-obra; (ii) bem como, análise da escrituração e revisão do aproveitamento dos créditos gerados em decorrência da respectiva retenção, ao longo do período prescricional.

A presente análise vem expor questões sobre a retenção de 11% de contribuição previdenciária, nas hipóteses de cessão de mão-de-obra, conforme o art. 31, da Lei 8.212/1991, com a redação dada pela Lei 9.711/1998.

Não cabe aqui abordar a constitucionalidade das mudanças, mas a inclusão, por meios normativos impróprios, de empresas prestadoras de serviços não identificadas com as hipóteses do parágrafo 4º, do artigo 31, da Lei 8.212/1991, na lista de empresas prestadoras de serviços por cessão de mão-de-obra. Essa incoerência está clara no artigo 219, parágrafo 2º, do Regulamento da Previdência Social (Dec. 3048/1999) e outros diplomas administrativos.

ICMS da base de calculo do PIS/COFINS

Trabalho voltado à auxiliar o cliente na análise da incidência do tributo e identificação dos valores pagos, ao longo do período prescricional, do PIS e da COFINS sobre o ICMS em suas respectivas bases de cálculo.

O STF publicou a Ementa do julgado do RE 574.706/PR, que decidiu sobre a EXCLUSÃO dos valores pagos a título de ICMS na base de cálculo do COFINS e do PIS.

A disputa para a exclusão do ICMS da base de cálculo da COFINS foi considerada pelo STF como sendo de "repercussão geral", podendo ser objeto de Súmula Vinculante.

O tema relativo ao mérito do processo que teve o efeito da repercussão reconhecida já foi julgado pela Suprema Corte; sendo que consta pendente apenas a respectiva modulação, ou não, dos efeitos da decisão judicial e a regulamentação da RFB para que os contribuintes possam realizar a revisão do recolhimento do período prescricional, bem como ajuste os pagamento futuros do respectivo tributo.

Reintegra - Benefício às Empresas Exportadoras

Trabalho voltado à auxiliar o cliente na análise, revisão e recuperação de créditos, devidos às empresas exportadoras, enquadradas nos molde da Lei 13.043/2014.

O Regime Especial de Reintegração de Valores Tributários para as Empresas Exportadoras - REINTEGRA foi reinstituído através da MP 651/2014 (convertida na Lei 13.043/2014) e tem por objetivo devolver parcial ou integralmente o resíduo tributário remanescente na cadeia de produção de bens exportados.

Com base no Reintegra, o contribuinte que exporte bens poderá apurar crédito, mediante a aplicação de percentual estabelecido em portaria do Ministro de Estado da Fazenda, sobre a receita auferida com a exportação desses bens para o exterior.

Atualmente, todo o procedimento se encontra normatizado pela própria Receita Federal do Brasil (Instrução Normativa nº 1.717/17); sendo que os créditos apurados no âmbito do Reintegra poderão ser utilizados pela pessoa jurídica para solicitar seu ressarcimento em espécie ou para efetuar compensação com débitos próprios, vencidos ou vincendos, relativos a tributos administrados pela RFB.

Planejamento Tributário

Trabalho voltado à auxiliar o cliente na análise da atual sistemática de desenvolvimento da atividade econômico e respectivo recolhimento dos tributos, com vistas à identificação de eficiência operacional e tributária nas respectivas operações, bem como acompanhamento na estruturação e execução de procedimentos para reenquadramento tributário.

Sempre que um novo exercício financeiro está iniciando, a empresa deve fazer um planejamento de todas as suas atividades, incluindo aquelas que são relacionadas ao pagamento de impostos e outros tributos. O gerenciamento tributário, portanto, pode ser conceituado como um método que tem como objetivo, encontrar meios contábeis e fiscais para reduzir o valor pago a título de tributos sobre cada operação ou produto.

Lembre-se que esta gestão é uma das responsabilidades da Contabilidade, ciência que visa ao controle do patrimônio, análise de tributos e outras atividades necessárias para a gestão total do negócio.

Por isso, podemos considerar o planejamento de tributos uma ferramenta que faz a projeção das atividades econômicas da empresa e encontra meios válidos e de acordo com a legislação para diminuir a soma de impostos e tributos pagos. Outras possibilidades são evitar a incidência e adiar o pagamento dos tributos, sempre que isso esteja conforme as determinações da ei.